Terminal dos Cruzeiros – Associação de Alfama congratula-se pelo abandono do projecto

A associação do património e população de Alfama congratulou-se hoje pelo abandono do projecto do terminal de cruzeiros, defendendo a reabilitação do bairro em detrimento de um investimento daquela natureza.

 A Associação do Património e da População de Alfama (APPA), manifestou, em comunicado, o seu «regozijo» pela anunciada decisão de abandonar o projecto de terminal de cruzeiros em Santa Apolónia, um projecto da Administração do Porto de Lisboa, entidade tutelada pelo ministério da Obras Públicas.

O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa (PS), afirmou terça-feira que o projecto, que envolvia a construção de um muro com seis metros de altura e 600 metros de comprimento, está «morto e enterrado».

«Pensamos que se tratava de um mau projecto, feito sem qualquer discussão pública, e que teria graves impactos em Alfama ao nível do acesso ao rio, de sistema de vistas, fluxos de tráfego e equipamentos sociais e congratulamo-nos com o seu abandono», declarou a associação, que promoveu a semana passada um debate sobre o terminal.

A APA continua a «questionar a oportunidade deste investimento», afirmando se «não seria mais urgente investir no processo de reabilitação urbana dos bairros históricos, que se encontra paralisado há anos».

«Por outro lado, pensamos que devem ser estudadas localizações alternativas para este equipamento e que a Doca do Jardim do Tabaco deve ser reabilitada como um espaço público de fruição do Tejo», acrescentam.

Lusa/SOL

Anúncios

Assembleia de Freguesia de Santo Estevão toma posicão quanto à modificação da Rede da Carris

A Assembleia de Freguesia de Santo Estevão tomou posicão quanto à modificação da Rede da Carris, aprovando por unanimidade a seguinte moção:

“Em 2006 a Carris criou a Rede 7, apesar das muitas críticas e dos pareceres desfavoráveis da Câmara Municipal de Lisboa (aprovados por unanimidade) e da Assembleia Municipal de Lisboa.
Tais alterações traduziram-se em menos autocarros, supressão de carreiras e redução de serviço noutras, com prejuízo para muitos passageiros.
A própria Carris reconheceu nessa altura que as mudanças estavam a ser efectuadas antes de haver uma justificação real, uma vez que ainda não estão concluídas as obras de alargamento do serviço do Metro, nem está normalizado o serviço fluvial no Cais do Sodré e no Terreiro do Paço e permanece encerrado o túnel do Rossio.
Recentemente vieram a público notícias de que a Carris prevê alterar 22 por cento da rede, na chamada 2.ª fase da Rede 7, com alterações em 16 carreiras, em consequência da extensão do Metro.
A Carris quer-nos retirar as carreiras 9, 90 e 746 (é eliminado o trajecto entre o Marquês de Pombal e Santa Apolónia).
Depois desta remodelação, haverá mais cortes nas carreiras e maior tempo de espera nas paragens. Sofrem todos os que precisam usar o transporte público e sofrem ainda mais as pessoas idosas e as que estão dependentes dos autocarros para o seu dia-a-dia.
A proposta da Carris depende da aprovação do Governo. À administração da empresa e ao ministro dos Transportes apelamos para que a «segunda fase» da «Rede 7» seja profundamente alterada. À Câmara Municipal de Lisboa apelamos para que dê um parecer negativo a tão graves intenções.
Considerando que a Câmara Municipal de Lisboa tem que apreciar e dar parecer sobre esta matéria; considerando também que o direito à circulação é um factor de cidadania e que os transportes públicos devem ser os instrumentos privilegiados para o seu exercício, a Assembleia de Freguesia de Santo Estêvão, reunida no dia 3 de Outubro de 2007, delibera:
1) Recomendar à Câmara Municipal de Lisboa que assuma uma posição interventiva e crítica junto da Carris, no sentido da defesa dos interesses dos utentes, o que implica a reposição das carreiras alteradas em 2006 pela Rede 7, bem como a recusa de novos cortes no serviço de transporte público.
2) Exigir junto da Administração da Carris que, para qualquer futura alteração na rede de transportes, seja previamente solicitado o parecer dos órgãos autárquicos da cidade e das freguesias afectadas.

Lisboa 3/10/2007 “

Maratona Fotográfica de Alfama em Destak – 21 de Junho

destak.jpg

Organizado pela Associação do Património e População de Alfama, a Maratona de Fotografia de Alfama pretende levar, no dia 23 de Junho, os amantes da foto digital a observar e sentir durante 12 horas, as ruas e os diferentes ambientes das freguesias deste bairro histórico. Este ano, os participantes serão desafiados a percorrer locais surpreendentes e  insólitos de Alfama, num evento que pretende também, promover e divulgar o bairro. Informações em mail@app-alfama.org.